Poder no Egito ptolomaico: uma abordagem mágico-religiosa da legitimidade Julio Gralha

Julio Gralha

Resumo


Este artigo tem por objetivo apresentar estratégias que permitiram a dinastia ptolomaica estabelecer sua legitimidade por quase três séculos. De fato, defendo que um projeto político-religioso, que tinha por foco a adoção de práticas mágico-religiosas egípcias e da monarquia divina foi levado a efeito pela realeza ptolomaica. Nesta pesquisa cito como exemplo quatro estratégias: A legitimidade ptolomaica pela deificação, pela fundação de cidade, pela titulação e pela construção de templos. Defendo também que o desenvolvimento de um programa de construção de templos no Alto Egito, principalmente após a Rebelião Tebana, foi capaz de estabelecer a cooperação e a cooptação da elite e segmentos sociais locais consolidando a legitimidade dinástica. Além disso, defendo que a egipcianização da realeza ptolomaica é mais profunda do que a historiografia ressalta se comparada a helenização.


Palavras-chave


Dinastina Ptolomaica 305-30 b.C.; Egiptologia; História Antiga; Relações de Poder.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.31669/herodoto.v3i1.341

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




##submission.license.cc.by-nc-nd4.footer##



Universidade Federal de São Paulo

Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Departamento de História
Estrada do Caminho Velho, 333 - Bairro Pimentas
CEP:07252-312 - Guarulhos - São Paulo - Brasil
mundoclassiconectado@unifesp.br
 
Heródoto - ISSN Eletrônico - 2448-2609