Pelloutier e o agenciamento das origens

Adilton Luis Martins

Resumo


Esta pesquisa se comprometeu inicialmente em discutir o processo de representação dos celtas na historiografia anti-absolutista de Simon Pelloutier. Entretanto, as fontes, abordadas metodologicamente pela genealogia, permitiram uma associação epistemológica. Em todas circundavam o tema das origens, ou melhor, todas produziam seu determinado conhecimento histórico com base nas origens. Os conhecimentos históricos e seus comprometimentos sócio-políticos e culturais eram forjados a partir da importância dada às origens nas fontes modernas - numa prática de agenciamento das origens. Este conceito consiste em uma relação epistemológica cultural com o tema das origens presente na historiografia moderna. Ele é pensado, neste estudo, como a identificação de um substrato religioso na noção profunda do sentido de historicidade, que o investe, de modo quase genealógico, com todo o processo de racionalidade erudita.


Palavras-chave


Simon Pelloutier; Absolutismo; século XVIII; Historiografia; “Agenciamento das Origens”.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.31669/herodoto.v2i2.301

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




##submission.license.cc.by-nc-nd4.footer##



Universidade Federal de São Paulo

Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Departamento de História
Estrada do Caminho Velho, 333 - Bairro Pimentas
CEP:07252-312 - Guarulhos - São Paulo - Brasil
mundoclassiconectado@unifesp.br
 
Heródoto - ISSN Eletrônico - 2448-2609