Uma morte muito exagerada: Robin G. Collingwood e a "romanização" da Bretanha romana

Renato Pinto

Resumo


Robin G. Collingwood é considerado o grande pesquisador dos estudos romano-bretões no período entreguerras. Suas contribuições neste campo, ainda que menos famosas do que seus trabalhos na Filosofia da História, lograram inserir a Bretanha Romana na história Britânica, e trouxeram, a reboque, uma abordagem interpretativa única que alinhavava conceitos filosóficos e históricos às suas pesquisas arqueológicas sobre o fenômeno da “Romanização” das províncias romanas. Sua crença na inevitabilidade do preconceito do estudioso ao se aproximar de seu objeto e na necessidade e possibilidade deste de recriar o passado em sua mente, no presente, rendeu-lhe uma espécie de renascença bibliográfica na produção arqueológica pós-processual. De alguma forma conectada a isso, sua concepção da “Romanização”, ainda que rígida, mostra-se indelével à crítica epistemológica do termo no pós-colonialismo britânico. O legado de Robin Collingwood costuma oscilar entre o reverencial e o ridículo, algo que só reforça a importância de tais movimentos tão longevos.

Palavras-chave


Robin G. Collingwood; Bretanha romana; romanização.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.31669/herodoto.v2i2.296

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




##submission.license.cc.by-nc-nd4.footer##



Universidade Federal de São Paulo

Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Departamento de História
Estrada do Caminho Velho, 333 - Bairro Pimentas
CEP:07252-312 - Guarulhos - São Paulo - Brasil
mundoclassiconectado@unifesp.br
 
Heródoto - ISSN Eletrônico - 2448-2609